REABILITAÇÃO DA FALA

A reabilitação da fala foca-se na correção e/ou recuperação de defeitos de fala e envolve o aconselhamento, ensino e utilização de vários exercícios e estratégias que permitem melhorar a qualidade da fala, através da adopção de novos padrões de fala.

As alterações da fala estão relacionadas com dificuldade em articular corretamente os sons (de forma a que todas as palavras sejam ditas corretamente e facilmente percebidas pelo ouvinte), com alterações da fluência (bloqueios, repetições, prolongamentos de sons) e também com alterações da voz (rouquidão, perda de expressividade, alteração do volume da voz), entre outros.

DETALHES DA TERAPIA

A reabilitação da fala pode envolver inúmeras abordagens, de acordo com a causa subjacente, isto é, intervir numa alteração da fala provocada por uma aquisição de um padrão errado durante o desenvolvimento é, certamente, diferente de reabilitar alterações da fala causadas por uma perturbação neurológica.

Dentro do grupo das próprias perturbações neurológicas é também necessário distinguir, por exemplo, se se trata de uma lesão do sistema nervoso central ou periférico. Outros critérios fisiopatológicos ditarão a seleção das abordagens e o potencial de reabilitação.

DETALHES DA TERAPIA

A seleção da abordagem e tipo de exercício depende da avaliação realizada. Algumas abordagens podem ser contraindicadas em patologias específicas.

Treino de utilização de estratégias de fala em contexto funcional.

Exercícios de força, velocidade, amplitude e coordenação envolvidos no processo de fala (ex. língua, lábios, bochechas…).

Utilização de estímulos orais que melhoram o processamento sensorial necessário à fala.

Exercícios que visam restabelecer a qualidade, por exemplo, normalizar a vibração das pregas vocais, eliminando a rouquidão ou a soprosidade da voz, ou aumentar a flexibilidade vocal, importante para a expressividade da fala.

Exercícios que promovem a coordenação da respiração com a fala ou o aumento do suporte respiratório necessário à fala.

As estratégias compensatórias podem ser introduzidas quando não é possível alcançar um padrão de fala normal (por exemplo, não ter movimento suficiente na língua para produzir um som).

PROCESSO TERAPÊUTICO

O processo terapêutico inicia-se, invariavelmente, com uma entrevista e uma avaliação.

Os dados obtidos nesta fase, permitem estabelecer o diagnóstico terapêutico, delinear objetivos, aferir expectativas e delinear um plano de intervenção.

A duração e a frequência do acompanhamento em terapia da fala dependem de vários fatores e são acordadas em conjunto com o utente, no seguimento dos objetivos e expectativas identificados.

UA-105588370-1